Três perguntas antes de resgatar seus investimentos na crise

14/04/2020

A forte volatilidade do mercado por conta da epidemia de coronavírus tem tirado o sono dos investidores - até os mais disciplinados - que amargam perdas expressivas especialmente em suas aplicações de maior risco, como a renda variável.

Abrir o portfólio e ver um desempenho negativo, de fato, não é nada fácil, mas resgatar os investimentos e sair de uma vez do mercado pode não ser a melhor saída.

Pensando nisso, a gestora americana Vanguard - com mais de US$ 6,2 trilhões em ativos sob gestão e conhecida por seus fundos de índice de baixo custo - divulgou três pontos que podem ajudar o investidor na tomada de decisão. Confira abaixo:

1. Se você resgatar seus investimentos quando o mercado estiver em baixa vai efetivamente amargar as perdas

Isso quer dizer que embora seja difícil controlar os ânimos em momentos de fortes oscilações, como o atual, é preciso ter em mente que uma vez que você liquidar o seu portfólio, isso não poderá ser revertido nem cancelado, mesmo se as condições melhorarem imediatamente. Você vai realizar essas perdas e impedir que o montante seja recuperado com a volta dos ativos.

Aplicações de maior risco devem ser pensadas no longo prazo sempre e é muito importante que a carteira seja construída para suportar as flutuações do mercado, com ativos diversificados.

2. Cuidado para não perder a retomada do mercado

Quando a economia começar a se recuperar da crise, esse movimento já vai estar no preço dos ativos, então é preciso ficar atento às oportunidades ou você perderá a porta de entrada.

Em teoria e no melhor dos cenários, o investidor deveria vender quando a Bolsa sobe e comprar quando ela cai, mas nem sempre é possível prever o mercado, nem mesmo os gestores mais experientes.

3. Você pode comprometer os seus objetivos

Pelo fato de não haver uma bola de cristal, se o investidor resgatar seus investimentos em meio à crise, ele poderá perder a retomada do mercado e quiçá os melhores dias para a Bolsa, comprometendo seus objetivos de longo prazo.

Isso não significa que o investidor não deve nunca resgatar pequenas quantias da carteira, mas sacar pequenas fatias de maneira planejada não é a mesma coisa que deixar totalmente o mercado.

Qual é a recomendação?

Segundo a gestora americana, embora o momento seja de forte volatilidade, o ideal é que o investidor troque o mínimo possível de ativos na carteira. Isso porque, se os planos de investimentos ou para a aposentadoria permanecem os mesmos, a carteira não deve sofrer alterações.

Caso haja uma mudança de 5% ou mais dos ativos, a recomendação da Vanguard é de que o investidor faça um rebalanceamento do portfólio para que continue no caminho certo rumo a seus objetivos no longo prazo.

➡️ Siga a SHS nas redes sociais - Facebook, Instagram e LinkedIn - e inscreva-se no nosso canal no YouTube.

Foto: Depositphotos