Risco-país: o que é e como ele afeta os investimentos?

16/09/2021
foco em uma lupa observando uma bandeira do Brasil

Nos anos 1990, o banco americano J. P. Morgan criou a metodologia que foi consagrada como "risco-país" para avaliar o risco de investir em países emergentes. O risco-Brasil, por sua vez, é a medida específica para os desafios de se investir aqui e diz ao mercado financeiro se a possibilidade de o país dar calote em seus credores está alta ou baixa.

Além do Brasil, as nações que têm um risco-país para chamar de seu são: Argentina, Colômbia, México, Panamá, Peru, Equador, Venezuela, Bulgária, Egito, Malásia, Marrocos, África do Sul, Turquia, Ucrânia, Polônia, Rússia, Nigéria e Filipinas.

O que acontece quando o risco-país está elevado?
Altos índices de risco-país significam juros mais altos e crédito mais caro. Isso acontece porque, a partir do momento que o risco para se investir em um país aumenta, esse país precisa oferecer condições mais vantajosas para os investidores apostarem lá. Porque se o risco de tomar calote é maior, é preciso receber mais para ainda assim apostar no país, deu pra entender? Os investidores buscam, basicamente, duas coisas: segurança e rentabilidade. Países que apresentam alto risco não oferecem segurança, por isso, a saída é a rentabilidade para atrair os investidores.

Como se mede o risco-país?
As variáveis medidas pelo risco-país basicamente são: a instabilidade política, o déficit fiscal, o crescimento econômico e a relação dívida pública X PIB.

O instrumento mais usado é o EMBI+, que aponta a diferença entre a taxa de retorno dos títulos públicos desses países emergentes e do Tesouro Americano, referência de segurança para o mercado financeiro. Essa diferença é chamada de spread soberano.

Para calcular o risco-país, a unidade de medida é a ponto-base. Cem pontos-base equivalem a 1%, então se o risco-país está em 300, o investidor precisa receber 3 pontos percentuais a mais de rentabilidade em um título de um país emergente do que receberia se aplicasse no título de referência, que é o do Tesouro Americano. Abaixo disso, não vale a pena.

E como o risco-país impacta os investimentos?
Para o investidor, o risco-país é sempre uma medida do tamanho da aposta que ele está fazendo em determinado país emergente e em suas empresas. Porém, quanto maior o risco do investimento, maior tende a ser a remuneração. Para os países do índice, o aumento do risco-país pode levar a fuga de capital estrangeiro e dificuldades de financiamento.

CLIQUE AQUI e acesse a matéria completa no site da CNN Brasil.

➡️ Siga a SHS nas redes sociais - Facebook e Instagram - e inscreva-se no nosso canal no YouTube.

Foto: tzahiV / Getty Images

Siga nossos canais