Fundos de Investimento: como escolher a melhor opção?

09/06/2021
homem observa um notebook em meio a gráficos e outros elementos relacionados ao mercado financeiro

Os Fundos de Investimento são sempre uma boa pedida seja para o investidor experiente, seja para o iniciante, já que com ele é possível contar com uma equipe de especialistas para gerir quais ativos vão compor a carteira. É quase que delegada a um gestor, a tarefa de avaliar constantemente os cenários político e econômico e tudo o que influencia nas rentabilidades, como os setores e a saúde financeira das empresas da Bolsa e para onde vai o dólar.

No Fundo de Investimento, um ou mais profissionais são responsáveis por toda essa análise e gestão e são remunerados através de taxas descontadas diretamente da aplicação. Na teoria, parece lindo e prático, mas com mais de mil opções disponíveis no mercado, entre bancos e corretoras, como escolher a melhor ou mais adequada?

De acordo com o assessor de investimentos, especialista em alocação, Bian Ribeiro, a primeira coisa a se verificar é a estratégia do fundo. Em uma carteira diversificada podemos usar muitas estratégias de fundos diferentes e o peso de cada produto depende do momento do mercado e do perfil do investidor. Aos mais conservadores recomenda-se maior peso em Fundos de Renda Fixa e, neste momento de alta da Selic, preferencialmente nos pós-fixados, enquanto os mais arrojados podem se arriscar mais nos Fundos de Ações.

Um cuidado importante que o investidor deve ter é o de fazer uma comparação adequada entre os fundos, um Fundo de Ação pode ser bem mais arrojado que outro e isso é fácil de diferenciar na XP, por exemplo, através da pontuação de risco, que é indicada juntamente com o produto. Observar a rentabilidade nos últimos 12 meses é outra dica, mas é importante verificar o histórico do fundo e ainda, quem é o gestor. "Na maioria das vezes, as estratégias dos fundos são desenvolvidas para médio/longo prazo e a pontuação de risco, mais a rentabilidade no último ano dão uma boa noção dos fundos consistentes ao longo do tempo, mesmo que não estejam em destaque no curto prazo", explica Bian.

Na hora de avaliar o gestor - e consequentemente, suas escolhas - lembre-se que escolher bons produtos não quer dizer, necessariamente, montar uma boa carteira de investimentos. Isso porque a carteira pode contar com uma grande quantidade de produtos, que não representam uma diversificação adequada, ou seja, uma carteira "mais do mesmo" com grande concentração em determinada classe de ativos. Um ponto de partida interessante nessa distribuição de produtos é buscar referências de carteiras recomendadas, a XP conta com essas indicações no site da corretora.

A rentabilidade pode ser outra boa aliada e auxiliar na tomada de decisão sobre qual fundo você deve escolher. Inúmeros sites permitem consultar lâminas e rentabilidades para verificar se os produtos e gestores apresentam um trabalho vencedor ao longo do tempo, mas é importante entender que os desempenhos dos fundos estão ligados ao momento do mercado e, dessa forma, determinado momento pode ser mais promissor para determinada composição ou não.

➡️ Siga a SHS nas redes sociais - Facebook, Instagram e LinkedIn - e inscreva-se no nosso canal no YouTube.

Foto: Peshkova / Getty Images

Siga nossos canais